• Twitter
  • Facebook
  • Istagram

Aviso de Pauta

09/03/2018

Tríplice Fronteira, soluções para construir resiliência

A região da Tríplice Fronteira vem recebendo uma atenção especial em relação aos efeitos causados pelas mudanças climáticas.

Uma série de encontros foram realizados alternadamente nas cidades de Ciudad del Este (Paraguai), Foz do Iguaçu (Brasil) e Puerto Iguazú (Argentina), com representantes de organizações que atuam em áreas relacionadas às mudanças climáticas e seus efeitos.

O projeto Cooperação Triangular Urbana: construindo um desenvolvimento resiliente ao clima na Bacia do Paraná, que vem sendo desenvolvido por meio da iniciativa Cidades Resilientes ao Clima na América Latina, com coordenação da Dra. Paola Sakai, da Universidade de Leeds (UK).

Dos encontros resultaram alguns importantes documentos, como a Avaliação de vulnerabilidade e estratégias de adaptação na região trinacional e o Relatório de Políticas, que contêm informações e recomendações derivadas da pesquisa realizada nas primeiras etapas do trabalho.

No dia 8 de março de 2018, quinta-feira, aconteceu uma videoconferência entre as salas da Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa Civil e da 9ª Coordenadoria Regional de Proteção e Defesa Civil, da qual participaram representantes dessas coordenadorias, além do Secretário Municipal de Segurança Pública de Foz do Iguaçu, Sr. Reginaldo José da Silva, do Coordenador da Defesa Civil de Foz do Iguaçu, Sr. Evaldo Monteiro Guimarães e a Sr. Thaís, representante da organização do Projeto de Cooperação Triangular Urbana.

No encontro foi traçado um planejamento para a seleção de temas, dentre aqueles identificados como fundamentais pelo projeto para o município de Foz do Iguaçu, para que sejam elaborados projetos visando a busca de recursos para a sua implementação. Um dos temas relevantes que foi selecionado durante a videoconferência pelo grupo, foi a aquisição, implantação e operação de radar meteorológico que cobrisse a área compreendida pela Tríplice Fronteira, que proporcionará um olhar específico sobre aquela região, propiciando informações meteorológicas importantes que servirão, por exemplo, para que as estruturas de proteção e defesa civil das 3 cidades possam enviar alertas de desastres e desencadear medidas emergenciais protetivas de suas populações com um maior grau de certeza.

"Defesa Civil, Somos Todos nós".

Postado por: Caroline Pompeu
Revisado por: Antonio Geraldo Hiller Lino

Fonte: Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa Civil

Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.