• Twitter
  • Facebook

Coordenação Estadual

14/07/2017

Defesa Civil fortalece atendimento após parceria com Banco Mundial

Uma parceria entre o Banco Mundial e a Defesa Civil do Paraná tem possibilitado a ampliação dos investimentos do órgão, garantindo melhor infraestrutura e compra de equipamentos para ações de monitoramento, prevenção e resgate em todo o Estado. Desde 2016 já foram aplicados aproximadamente R$ 11 milhões em recursos.

Parte deste valor foi utilizado, recentemente, na compra de 32 viaturas, entregues na última terça-feira (11). Foram adquiridos também 160 conjuntos de salvamento em águas rápidas (enxurradas, inundações, cabeça d’água), inclusive barcos, além de 192 conjuntos para busca e resgate em situações emergenciais decorrentes de desastres naturais, como desabamentos, deslizamentos, incêndios, furacões e vendavais. Os novos equipamentos serão distribuídos nas 15 regionais do órgão para atender todo o estado.

A parceria também possibilitou a criação do Centro Estadual de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cegerd), que realiza o monitoramento contínuo de todo o Paraná, com base em informações de 16 órgãos do governo estadual, prevenindo perdas que podem ser provocadas por intempéries climáticas. Instalado no Palácio das Araucárias, em Curitiba, o Cegerd recebeu investimento de R$ 4,6 milhões.

Essas ações fazem parte do programa de Fortalecimento da Gestão de Risco de Desastres no Paraná, que teve inicio em 2011, logo após as enchentes conhecidas como “Águas de Março”, um dos mais terríveis desastres da história do Estado, que afetou todo o Litoral. O plano acabou sendo incluído no Projeto Multissetorial para o Desenvolvimento do Paraná, parceria firmada entre o Estado e o Banco Mundial (Bird) em 2012 que viabilizou um empréstimo de US$ 300 milhões de dólares para investimento em diversas frentes.

O programa é coordenado pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Recursos Hídricos e integra órgãos como a Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa Civil, Simepar, Instituto das Águas do Paraná, Instituto de Terras, Cartografia e Geociências do Paraná (ITCG). São três eixos de atuação: fortalecimento da infraestrutura de prevenção, com aquisição de radares, bases meteorológicas e equipamentos; investimento em conhecimento, que inclui o mapeamento das áreas de risco e revisão cartográfica do Estado; e a articulação institucional, com a ampliação das políticas de Proteção e Defesa Civil e a criação do Centro Universitário de Estudos e Pesquisas sobre Desastres (Ceped).

De acordo com o chefe da seção de planejamento da coordenadoria estadual de proteção e Defesa Civil do Paraná, major Dorico Gabriel Borba, os investimentos oriundos da parceria auxiliam na logística e plano de ação, em caso de desastres. “Todos esses recursos investidos em diferentes órgãos auxiliam o nosso trabalho para coordenar ações de monitoramento, prevenção e resgate, antevendo e criando ações que se antecipam aos fenômenos naturais, como a retirada de pessoas de áreas de risco e o número de vítimas que podem ser afetadas”, diz.

TRABALHO RECONHECIDO - A Defesa Civil do Paraná recebeu um prêmio da Organização das Nações Unidades (ONU) pelo seu sistema de informações, que foi reconhecido pela sua excelência. Nesse caso, o atendimento foi descentralizado, dando maior agilidade nas ações de resgate e auxílio aos municípios afetados. “Saímos antes de 2011 de um trabalho que consistia apenas na entrega de lona e evoluímos para uma política efetiva de gestão de risco de desastres. Algo que é referência no Brasil. Recebemos visitas de vários estados para copiar o nosso modelo de atendimento e de gestão de risco de desastres”, afirmou Borba.

CENTROS REGIONAIS – Futuramente, serão viabilizados três centros regionais de logística nas regiões Norte, Centro e Eudoeste do Paraná, para que as famílias que sejam afetadas tenham próximo a elas materiais de ajuda humanitária, como cesta básica, telhas, colchão, kits de limpeza. Os centros serão viabilizados com recursos que a Secretaria da Família e Desenvolvimento Social irá repassar para a Defesa Civil. Serão investidos R$ 4 milhões para dar continuidade a política de descentralização, que dará ainda mais agilidade no atendimento das vítimas de desastres naturais no Paraná. “Esse centro facilitará a tomada de decisão e previsão. O Simepar prevê os fenômenos meteorológicos e os municípios, por meio desse sistema, repassam informações de quantas pessoas poderão ser atingidas.

Fonte: Jornalista Jean Pecharki - Agência Estadual de Notícias.

Fonte: Agência Estadual de Notícias

Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.